Vitória, ES, Sábado, 23 de Setembro de 2017

TERAPIA DO AMOR

Projeto Manoel Philomeno de Miranda

Em sendo o Espiritismo uma doutrina possuidora de respostas elucidativas para as questões desafiadoras da vida, de instrumentos práticos capazes de ajudar aos que sofrem, desde que, honestamente, queiram ajudarse e ser ajudados, é natural que um número crescente de pessoas busquem-no com o propósito de solucionar seus problemas e dificuldades existenciais.

Segundo a FEB - Federação Espírita Brasileira, “o Centro Espírita deve criar condições para um eficiente atendimento a todos os que o procuram com o propósito de obter esclarecimento, orientação, ajuda ou consolação.”

O Atendimento Fraterno é a concretização dessa recomendação Febiana, fundamentada no Evangelho, objetivando assistência individualizada aos que sofrem, através do diálogo espontâneo, confidencial e privativo.

Trata-se de atividade também conhecida no Movimento Espírita como “entrevista”, não devendo ser confundida com as técnicas conhecidas como “relações de ajuda”, embora o conhecimento dessas técnicas, e de outras das áreas da Psicologia ou da Comunicação, possa facilitar o trabalho de quem se dedica a tão nobre labor.

Este livro (projeto) se propõe oferecer reflexões sobre o tema, que é do interesse de todos os espíritas, além de um pequeno roteiro para quantos se disponham a implantar o Atendimento Fraterno nos Centros Espíritas, ou com essa atividade se envolver.

Nele reunimos a palavra tão experiente quanto inspirada de Divaldo Pereira Franco, a quem entrevistamos, a contribuição sempre abalizada de Suely Caldas Schubert, ampliando matérias já por ela tratadas na apostila da Aliança Municipal Espírita de Juiz de Fora sobre o assunto, e nossa própria experiência nas atividades do Centro Espírita Caminho da Redenção, de Salvador-Bahia, que vai examinada principalmente na segunda parte do Livro.

Faz parte ainda do conteúdo da Obra uma síntese de assuntos por nós estudados para compor um mínimo de fundamentos técnicos e doutrinários indispensáveis à execução da atividade.

De maior relevância, porém, para o propósito deste modesto trabalho, são os luminosos pensamentos do Codificador e dos Bons Espíritos, em especial da Benfeitora Joanna de Ângelis, que bondosamente o prefaciou. 

Do Codificador levantamos as origens espiríticas do Atendimento Fraterno ao evocar o seu vigoroso discurso aos espíritas de Lyon e Bordeaux, quando gravou este lapidar depoimento, que pode servir de lema para os atendentes fraternos: “Coloco em primeira instância o consolo que é preciso oferecer aos que sofrem, erguer a coragem dos caídos, arrancar um homem de suas paixões, do desespero, do suicídio, detê-lo talvez no limiar do crime! Não vale mais isto do que os lambris dourados?”

Faz bem, e muito bem, refletir no que Allan Kardec falou na mesma ocasião: “Homens da mais alta posição honram-me com sua visita, porém nunca, por causa deles, um proletário ficou na antecâmara”.

Mais adiante ele adiu: “Guardo milhares de cartas que para mim mais valem do que todas as honrarias da Terra e que olho como verdadeiros títulos de nobreza”. (Cartas que, certamente, ele respondeu para levar a esperança aos aflitos que lhe buscaram o concurso seguro e afável).

Em Jesus temos o Atendente Fraterno perfeito que, além de ter ensinado às multidões, através de Seus inolvidáveis discursos, deixou-nos preciosas lições dialogadas, através das quais o Seu verbo de luz socorreu os indivíduos, cada um conforme a sua necessidade: o Moço Rico, a Samaritana, a Mulher Equivocada, Zaqueu, Joana de Cusa e tantos outros, libertando a todos, que se fizeram heróis no futuro.

Se o Divino Mestre disse: “Vinde a mim todos vós que estais aflitos e sobrecarregados”, também propôs: “Que vos ameis uns aos outros”. Isto como a dizer-nos assim: “Se estiverdes em condição, vinde diretamente a mim pelos caminhos formosos da oração, mas se vos sobrecarregardes a ponto de não achardes o caminho emocional da prece, recorrei a vosso irmão pois que através dele eu vos ajudarei”.

Apoiando-se nessa proposta os primeiros apóstolos da Palavra, no Cristianismo Primitivo, após suas pregações, ainda tocados pelas “línguas de fogo” inspiradoras da oratória finda, se punham à disposição para ouvir e aconselhar os irmãos de caminhada, encorajando-os para a luta.

Eis o Atendimento Fraterno, ontem, hoje e sempre. (Salvador, agosto de 1997, equipe do Projeto Manoel Philomeno de Miranda)

Mensagem de Joanna de Ângeli

As patologias da alma - violência, ódio, ciúme, ressentimento, amargura, suspeita, insatisfação, dentre outras muitas - respondem por incontáveis aflições que aturdem o ser humano.

Alma encarnada, nela se encontram as matrizes do bem como do mal em que se compraz, dando campo ao seu desenvolvimento. Como efeito, as alegrias e as dores que se exteriorizam somente podem ser erradicadas quando trabalhadas nas suas raízes causais.

Interpenetrando todas as células e assenhoreando-se dos equipamentos orgânicos, que passa a comandar, a alma ou Espírito encarnado imprime nos elementos físicos os conteúdos vibratórios que lhe são peculiares, característicos do seu estágio de evolução.

Os sofrimentos humanos de qualquer tipo são manifestações dos distúrbios profundos que remanescem no ser espiritual, desarticulando os sensores emocionais e a harmonia vibratória que vige nas células, o que faculta a instalação das enfermidades.

O ser humano é, em qualquer situação, aquilo a que aspira, a irradiação do que sente, os interesses que cultiva. Aferrado à conduta primitiva, reagindo mais por instinto do que agindo pela razão, permite que as deficiências internas se expressem em forma de problemas que se exteriorizam perturbadores.

O valioso contributo da Medicina acadêmica, quando não acompanhado por um bom relacionamento médico-paciente, resulta incompleto para atingir as causas excruciantes das doenças e angústias. Certamente, na maioria das vezes, minora a dor, aparentemente vencendo-a; mas, porque não alcança a alma enferma, eis que ela reaparece sob outras expressões, produzindo sofrimentos.

O conhecimento do ser imortal, da sua preexistência ao berço e sobrevivência ao túmulo, torna-se indispensável para qualquer cometimento terapêutico em relação aos problemas e dores humanos. Por isso mesmo, a terapia do amor é de vital importância, envolvendo o paciente em confiança e ternura, ao mesmo tempo esclarecendo-o quanto à sua realidade e constituição espiritual.

O atendimento fraterno tem como objetivo primacial receber bem e orientar com segurança todos aqueles que o buscam. Não se propõe a resolver os desafios nem as dificuldades, eliminar as doenças nem os sofrimentos, mas propor ao cliente os meios hábeis para a própria recuperação.

Apoiando-se nos postulados espíritas, o atendimento fraterno abre perspectivas novas e projeta luz naqueles que se debatem nos dédalos das aflições. Mediante conversação agradável, evitando-se atitudes de confessionário, o atendente fraternal deve saber desviar os temas que incidem nos vícios da queixa, da lamentação, da autopunição, demonstrando que o momento de libertação e paz está chegando, mas a ação para o êxito depende do próprio paciente, que deve iniciar, a partir desse momento, o processo de autoterapia.

Concomitantemente, o atendimento fraterno, em razão dos propósitos que persegue e das circunstâncias em que ocorre, faculta aos Espíritos nobres adequado socorro ao cliente, que deverá permanecer receptivo ao mesmo. Nessa ocasião, tem início a ação fluídica, o auxílio bio-energético, ainspiração, que lhe propiciarão a mudança de clima mental, de psicosfera habitual, facultando-lhe a transformação interior para melhor e a rearmonização da alma que interagirá na aparelhagem orgânica.

Preparar-se bem, psicológica e doutrinariamente, faz-se imprescindível para o desempenho correto do mister a que o atendente fraterno deseja dedicar-se. 

Ao lado desses requisitos cabe-lhe desenvolver o sentimento de amor, embora vigiando-se para evitar qualquer tipo de envolvimento emocional, jamais esquecendo a fraternidade gentil e caridosa como recurso hábil para a desincumbência da tarefa a que se propõe.

O atendimento fraterno na Casa Espírita é de vital importância, para que todo aquele que lhe busque a ajuda, seja orientado com equilíbrio, guiando-o para o labor de auto-iluminação.

Encontramos, neste livro, diretrizes sábias e cuidadosamente estabelecidas para um correto desempenho da atividade fraternal no atendimento aos necessitados e desconhecedores da Doutrina Espírita, oferecendo-lhes apoio e esclarecimentos lúcidos para o autodescobrimento, a autolibertação.

Confiamos que esta contribuição dos companheiros estudiosos que constituem o Projeto Manoel Philomeno de Miranda, atinja a finalidade a que se destina, auxiliando aos trabalhadores sinceros do Movimento Espírita, que se candidatam a ajudar, na Instituição onde mourejam. (página psicografada pelo médium Divaldo Pereira Franco na sessão mediúnica da noite de 15/12/1997, no Centro Espírita Caminho da Redenção, em Salvador, Bahia) (fonte de pesquisa: Projeto Manoel Philomeno de Miranda)

 

Núcleo Espírita Irmão Maurício - NEIM

Avenida Maruípe, 1735, São Cristovão, Vitória, ES, CEP 29.047-231

Contato: José Carlos Fiorido :: jfiorido@hotmail.com :: (27) 99971-9981

Desenvolvido por Fábio C. Souza :: fabio.custodio.souza@gmail.com :: Vila Velha - ES :: (27) 99690-4242